Haikai em Technicolor

wp_20161021_10_37_43_pro-1

Ainda sobre as margaridas da crônica de ontem:
O “Haikai em Technicolor” de hoje remete à lição dessa efêmera flor.
As margaridas que encontrei foram replantadas, é óbvio.
E quanto à nós?
Novas sementes foram lançadas nos jardins da infância.
Fomos semente.
Hoje somos um constante desabrochar.
E o universo vai arrancando nossas pétalas uma a uma, bem me quer, mal me quer…
Contemplemo-nos, enquanto é tempo.
Plenos, enquanto o somos.

Abraços metafísicos,

Bruno Félix

PS: Para quem ainda não conhece a série “Haikais em Technicolor”, há um álbum na página do FACEBOOK (aproveite e dê um like!) e uma galeria aqui no blog em POESIA DIVERSA. Enjoy!

 

Haikai Novamente

Não resisti. Não sei se foi por reler Paulo Leminski essa semana, ou se foi pelas últimas postagens minhas sobre Haikai, me flagrei hoje “namorando” uma das páginas que mais gosto de meu próprio livro.

Deu até vontade de propor aqui um jogo, de cada um relatar a própria interpretação desses dois Haikais que dialogam não só com os respectivos títulos, mas também com as ilustrações de Arthur Pádua, que têm o poder de levar o leitor por um caminho que o poeta talvez não tenha pretendido. Alguém arrisca um palpite? Depois eu conto o que eu senti (e pretendi) ao escrever cada verso.

Ah, quem quiser um exemplar do livro, pode clicar AQUI.

Abraços poéticos,

Bruno Félix

DSCN0052.JPG

 

Por que gosto de Haikais

A delicadeza da construção, o minimalismo silábico que precisa fundamentalmente expressar um estado natural à maneira de uma pintura ou fotografia. São características do Haikai que me encantam, como se desafiassem o poeta ocidental a um duelo samurai ou a um ritual do chá.

Ontem escrevi dois Haikais que, muito embora desafiem o propósito original da arte (o retrato instantâneo da natureza), trazem um turbilhão (a meu ver) de significância.

No primeiro, a desconstrução da palavra no segundo verso, leva a uma reconstrução em duplo significado no último:

#Haicai ou #haikai? #Dor ou #doação? Perder ou perdoar? #poema #minimalismo

A post shared by Bruno Felix (@brunofelixblues) on

 

Já no segundo Haikai, a imagem acústica formada em nosso cérebro pelo emprego da palavra “sonho”, é reconstruída nos versos seguintes.

#Haikai novamente. Meio "blue": sobre #sonhos e cimento. #poesia #maquinadeescrever #poema

A post shared by Bruno Felix (@brunofelixblues) on

Em meu livro de poesias (LINK), há um pequeno capítulo dedicado à arte do Haikai.

Espero que tenham gostado o tanto quanto eu (pai coruja)!

Abraços,

Bruno Félix

 

Malabarismos

WP_20160729_14_22_34_Pro.jpg

O excesso explicado através do mínimo.

Por isso escolhi um Haicai para ilustrar o momento:

Há duas semanas mergulhei de cabeça no projeto literário mais gostoso que já fiz até hoje, motivo de minha ausência por aqui. Enquanto me divirto com o malabarismo de conciliar trabalho, família, música, faculdade e escrita (meu heterônimo tem exigido textos diário e pontuais), tive o insight desse belo Haicai que datilografei assim que o tempo me permitiu.

PS: dia quente e corrido aqui no sudoeste de Minas Gerais.

Abraços múltiplos,

Bruno Félix