Poema Classificado nº29

Essa semana saiu no jornal o #PoemaClassificado nº29. Série despretensiosa, mas que tem saído com certa regularidade, o que tem me dado bastante gosto: Além de tais poemas serem impressos no jornal local, já chegaram a várias cidades do Brasil estampados em postes, através de amigos que resolveram #EspalharPoesia por aí!

Por isso criei dois álbuns na página do Facebook (cliquem nos poemas abaixo para serem redirecionados).

Espero que gostem!

wp_20170123_00115697363_217995818611026_2258546575991036072_n

Ponches et Circenses

Conforme prometido pela anfitriã
A recepção de Madame Zoraida
Já se prolongava até a manhã
Após o ludibrioso espetáculo do circo Malakov
Regalavam-se os convivas a ponche gelado
E Harvey Wallbanger de vodka Askov

Acomodado em uma chaise long
Desenhada por Le Corbusier
O arguto doutor Cheng Fong
Ajustando o pince-nez
Defendia o palhaço Kablong
Que tirara de cena de modo abrupto
O espetaculoso domador de pôneis
A contragosto do respeitável público

Madame Zoraida encolerizada,
Bradava ofensas ao tal saltimbanco:
– Pois eu digo que tudo não passou de um golpe!
– Golpe não foi! Visto que ambos são da mesma trupe!
– Golpe sujo e baixo! – Insistia a madame
– Não vejo o porquê! – fez o doutor
– Pois veja bem, que palhaço infame…
– Alto lá Zozô! Infame é dar show a domar alguns pôneis!

Enquanto os comensais acalorados
Tomavam partidos na capciosa contenda
Já altos de ponche e outros derivados
De lá da cidade, no fundo da tenda
O velho palhaço se demaquilava
E o domador abria um Velho Barreiro
Que há pouco fora buscar na venda
Ao sair mais cedo do picadeiro.

ESQ1_631.jpg

There is a blues in every corner

WP_20160328_14_14_28_Pro

There is a Blues in Every Corner (Bruno Félix):
>>Clic here for the original Portuguese Version<<

Inside every slap there is a blues that comes along
And in the eyes that testify a hungry every day
Within each dose which shortens life anyway
There is a blues in every corner just waiting for a song

It is in bare feet that bleed on the sidewalk
It’s in the painful body without a bed to lie on
It’s the hunger that persists as a nighthawk
There is a blues in every corner just waiting for a song

The news shouts everything without a feeling
While some poet waits for a light to be strong
Every day, cops are dying and killing
While the blues from every corner does not find its song

It’s in the body of the exploited girl without rights
And with that lack of education that makes life goes wrong
And all that stuff keeps screaming through the night
There is a blues in every corner just waiting for a song

Greed and intolerance kills
The poet is a worm crawling on the ground
At a banquet politicians are filled
I hear a blues at every corner, waiting for a song

**Special thanks to Dani Tito for reviewing this adaptation!**